domingo, abril 17, 2005

Que por "menos trabalhada" não se entenda "por confirmar"!

Lê-se hoje no DN, pág.44, no corpo da notícia "Jornais responsáveis pela divulgação científica": "Carlos Borrego defende, portanto, que a informação menos trabalhada deve ser deixada para as rádios e televisões [sublinhado nosso], no ar de meia em meia hora, logo com possibilidade de corrigir algum erro na intervenção seguinte, e a abordagem definitiva para os jornais". Concordo que os ritmos mediáticos são distintos, complementares até. Agora, não se entenda "por confirmar" onde se escreve "menos trabalhada"!! A informação maturada deve ser a deontologia dos media e não de um medium particular.